Los Fraires

21º Dia: Praia, sol e mar…

Como o hotel que ficamos em Salinas não fornecia café da manhã, acordamos cedo para dar uma volta na praia e tirar algumas fotos. Impressionante como Salinas nos parece uma Praia Grande (da baixada santista em São Paulo) há uns 20 anos atrás.

Às 7 e meia da manhã começam a chegar os primeiros carros vindos de Guayaquil. Vans lotadas de gente vão tomando seus lugares e preparando um cantinho na praia para passar o domingo. Os vendedores também já começavam a armar sua “barracas”. Algumas pessoas caminhando, outras passeando com cachorros.

Percebe-se que, apesar de popular, a cidade ainda não possui toda uma infra-estrutura bem planejada. A limpeza da praia, por exemplo, é realizada por pessoas de uma associação, e não pela prefeitura. Assim como não existem “hotéis bons”, também não há supermercados grandes. E por aí vai…

Abaixo uma foto da avenida beira-mar numa manhã nublada.

Salinas
Salinas

Depois do passeio, retornamos ao hotel, pegamos as coisas e partimos. Antes de chegar na estrada, uma paradinha no posto de gasolina para abastecer e comprar um sanduíche de “jamon e queso” e um litro de leite com chocolate gelado para o café da manhã e vamos embora.

Ah, por curiosidade, no Equador existem dois tipos de gasolina: extra (mais barata, como se fosse uma gasolina normal) e a super (uma gasolina aditivada). Como disse na outra postagem, eles medem em galões. Já no Peru há diversos tipos de gasolina, e vende-se de acordo com a octanagem. A mais barata é a Gasolina 84 (84 de octanagem) e a maior que encontramos foi a 98. Mas a mais comum de se ver é a 90. As que encontramos foram:84, 90, 95, 97 e 98. Quanto maior, mais cara, e também medem em galões.

No Chile também comercializam a gasolina de acordo com a octanagem: 93, 95 e 97. E na Argentina existe: normal,super e premium. Em ambos os países a medição é por litro.

No Peru e no Equador costumam chamar o diesel de “petróleo“. Então, se parar em um desses países e o frentista lhe oferecer petróleo, não se assuste!… E não pense que é gasolina!… rs

Ok. Abastecidos o carro e nós, seguimos rumo à Rota do Sol. Uma estrada que vai seguindo o litoral do Equador de norte a sul. Alguns quilômetros e já tivemos que parar para “sacar” algumas fotos.

Nosso destino era a cidade de Manta, mas poderíamos seguir adiante, se achássemos melhor e tivéssemos tempo. No entanto, parafraseando aqueles famosos versos:

“…no meio do caminho havia uma praia… havia uma praia no meio do caminho…” 

Los Fraires
Los Fraires

Quando olhamos essa praia, não tinha como não querer botar roupa de banho e aproveitar. Água transparente, sem rochas, mais ou menos vazia de gente, areia branquinha (daquelas feitas de pedações de conchinhas que ainda se pode ver)… caímos dentro!

Ficamos quase duas horas dentro da água. O mar lembrava muito a praia de Maresias, no litoral de São Paulo, com aquelas ondas que nos puxam de um lado para o outro a todo instante, mas mesmo assim estava uma delícia. Alguns tombos aqui e acolá e, infelizmente, tínhamos que ir embora. Saímos salgados, grudentos, cheios de areia, mas com sorrisos nos rostos!

No caminho, algumas paisagens bonitas e chegamos à Manta. A praia de Los Fraires nos deixou tão cansados que só queríamos um hotel. Depois de algumas voltas, nos alojamos e fomos descansar.

Depois de um bom banho, tentamos sair para comer mas estava tudo fechado. Então voltamos ao hotel e a recepcionista pediu uma pizza para nós (dessa vez equatoriana e redonda mesmo).

DADOS – 21º DIA
Saída: Salinas – Ecuador
Chegada: Manta – Ecuador
Distância percorrida: 259km
Combustível: $19,50
Hospedagem: $55,00
Refeições: $25,95
$ = Dólares